Category Archives: Jornalistas

Pedro J. Ramírez deixa El Mundo

Pedro J. Ramírez  vai deixar de ocupar a cadeira de director do El Mundo, o segundo jornal espanhol com maior número de vendas em banca, depois de 25 anos à frente dos destinos do título que ajudou a fundar.

Segundo a Reuters, a demissão de Ramírez estará relacionada com a postura editorial crítica para com o governo de Mariano Rajoy. O El Mundo será, a partir de hoje, dirigido por Casimiro García-Abadillo.

«Informar de lo que ocurre sin sesgos, con compromiso y rigor pero también con humildad, sin aspiraciones mesiánicas ni intereses empresariales, esto es lo que ahora me motiva. Algo muy distinto a lo que llevo haciendo».

https://twitter.com/MDiaz_elmundo/status/428945369381470208/photo/1

https://twitter.com/MDiaz_elmundo/status/428945369381470208/photo/1

Jornalismo com bolinha vermelha

O espanhol Mediterráneo Digital, que se define como «independente e politicamente incorrecto», publicou, na sua página oficial no facebook, um anúncio de emprego, no mínimo, original para o sector da informação.

Os critérios para o recrutamento do título, que publica edições em Madrid e na Catalunha, são, maioritariamente (ou exclusivamente),….estéticos!

«Eres joven? ¿Eres periodista? Te consideras sexy? Te gusta el deporte? Ponte en contacto con Mediterráneo Digital! Abrimos #CastingReporteras».

Choveram acusações de sexismo e machismo, ainda que, nas 48 horas seguintes à publicação do edital, tenham caído, na caixa de correio do Mediterráneo Digital, mais de 100 candidaturas. Um verdadeiro caso de estudo de abordagem à profissão.

Vanessa Blanco - Nueva reportera de Mediterráneo Digital

Via Clases de Periodismo

Um Oscar para a Rita

Dura praticamente desde o início do ano uma espécie de guerra entre o provedor do Leitor do Diário de Notícias, Oscar Mascarenhas, e a jornalista da RTP Rita Marrafa de Carvalho.

A estória é tão surreal que, não fosse verdade, até pareceria ficção. A Rita expôs, no facebook, um episódio que envolveu uma ida a Belém, a filha e os guardas do Palácio. O provedor não gostou, torceu o nariz e carregou na jornalista na página semanal que assina no DN. A semana seguinte trouxe protestos nas redes sociais, indirectas mais ou menos directas, e uma exclusão do círculo de amigos.

No fim-de-semana seguinte, Oscar Mascarenhas manteve a toada, novamente com a mira centrada na jornalista, num texto que transpira despeito por todos os poros. Hoje (finalmente) a Rita colocou o ponto final no assunto! Mesmo que o provedor volte ao tema, não há mais nada a acrescentar. É por isso que o Oscar (assim mesmo, sem acento!) vai para a Rita.

Disponível em: Direito de Resposta

O futuro dos media e do jornalismo

Direitos, liberdades e garantias

Uma auditoria à violação do segredo de justiça, apresenta na última semana pela Procuradoria-Geral da República, sugere escutas e buscas domiciliárias a órgãos de comunicação social e jornalistas que dêem provimento a fugas de informação, prevendo-se, ainda, a suspensão da actividade como medida de penalização prevista.

Uma das (muitas) vozes que criticaram o documento, da autoria do procurador João Rato, pertence ao director do Diário de Notícias, João Marcelino, que dissertou sobre o tema em editorial.

«Quem leia este documento tem todo o direito a pensar que os jornalistas costumam assaltar os tribunais pela calada da noite, roubando documentos – e deve ser assim que costumam obter o dia, local e hora em que determinado cidadão vai ser detido e, por acusado, transportado para inquérito…»

Disponível em: O “segredo de justiça”

Redes sociais para jornalistas

O Knight Center for Journalism in the Americas, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, abriu inscrições para o curso online gratuito «Redes sociais para jornalistas» que decorre  entre 3 de Fevereiro e 9 de Março.

Apesar da denominação, o curso está aberto a profissionais de todos os sectores de actividade, como sublinha Rosental Alves (director e fundador do Knight Center) e, ao longo de cinco semanas, os interessados terão a oportunidade de partilhar experiências com vários profissionais  (reconhecidos) e estudiosos do círculo mediático.  O primeiro a entrar em cena será Ryan Thornburg, da Universidade da Carolina do Norte, seguindo-se Sharif Durhams, do Milwaukee Journal SentinelCraig Silverman, do Spundge e do PoynterDaniel Victor, do The New York Times, e Amanda Zamora, do ProPublica.

Inscrições em: Social media for journalists: the basics

Os maiores erros dos media em 2013

A Poynter compilou uma lista com os principais erros dos media durante o ano 2013, destingiu quem se destacou (pelos piores motivos) nas diversas categorias e não poupou ninguém: New York PostThe Wall Street JournalThe GuardianThe New York Times, cabem lá (quase) todos!

Um dos principais visados pela publicação da escola de jornalismo de St. Petersburg (Flórida), foi o programa da CBS 60 Minutos – em Portugal transmitido pela antena da SIC Notícias – agraciado com o ‘galardão’ de «Erro do Ano» (ver abaixo).

O jornalista que limpa casas de banho para sobreviver em Londres

Benjamín Serra, de 25 anos, residente em Londres, é, por estes dias, um dos nomes mais falados em Espanha. No curriculum tem duas licenciaturas, um mestrado e bolsas de mérito, mas nem isso lhe garante colocação: actualmente limpa casas de banho para sobreviver na capital inglesa.

Farto de toda a situação, publicou, na sua página de facebook,  uma carta de revolta onde descreve tudo o que o rodeia. Um depoimento impressionante, cheio de coragem, que devia ser lido por todos os alunos de jornalismo.

«Soy Premio Extraordinario de Fin de carrera en mis dos titulaciones y limpio la MIERDA de otros en un país que no es el mío. Y no me avergüenza hacerlo. Limpiar es un trabajo muy digno. Lo que me avergüenza es tener que hacerlo porque nadie me ha dado una oportunidad en España».

Disponível em:  «Soy Benjamín Serra, tengo dos carreras, un máster y limpio baños en Londres»

O malabarismo das pressões

O Banco Espírito Santo não gostou que o jornal I andasse a escarafunchar vários processos que envolvem altos quatros do grupo e reagiu de forma grosseira tentando lembrar que é um dos principais suportes dos jornais portugueses.

É mais que sabido que o mercado publicitário está em queda e que o I, desde a sua fundação, tem passado por sucessivas remodelações que levaram à mudança de mãos, no ano passado, e à dispensa recente de vários profissionais .

Apesar de estar e encarar um dos grandes clientes dos media portugueses, o I não se encolheu sustentando a sua posição com as responsabilidades editoriais que tem para com os leitores.

A escolha era simples: ou salvaguardavam-se algumas páginas de publicidade e atirava-se a «estória» para debaixo da secretária, ou prevalecia a ligação de confiança com que todos os dias compra o jornal.

Prevaleceu a segunda opção com óbvio prejuízo para as finanças da empresa. Ainda assim, manteve-se o eleitorado fiel. E é ele o principal activo de qualquer projecto de media.

A direcção do jornal i não se deixa intimidar com o poder económico e publicitário do BES e continuará a garantir o direito de informar e a acompanhar toda a informação que os seus jornalistas recolham com profissionalismo, isenção e respeito pelo nosso código deontológico

Nota da direcção do jornal I: O BES não pode esperar que os jornalistas deixem de exercer a sua profissão

Plágio: a praga do jornalismo contemporâneo

Jornal Público, edição de Terça-feira, 24 de Setembro, de 2013

Jornal Público, edição de Terça-feira, 24 de Setembro, de 2013